REUNIÃO NA SECRETARIA DE CONSERVAÇÃO E RIO ÁGUAS

 

Na data de 15.03 passado a diretoria da AMASCO, representada por seu presidente, José Britz, seu Vice-presidente Luiz Cattapan e o colaborador Paulo Borges Fortes, reuniu-se com equipe da Secretaria Municipal de Conservação e Meio Ambiente e da Fundação Rio Águas. Representando os dois órgãos destacamos o secretário Jorge Felippe Neto, o presidente da Rio-Águas, Cláudio Barcelos Dutra, o chefe de gabinete da secretaria Wilmar Barbosa além de outros técnicos e gerentes.

O tema principal da reunião foi a extensão dos danos na galeria de cintura de São Conrado, decorrentes das chuvas de final de fevereiro, e providências que estão sendo tomadas para reparar a avarias. De forma resumida, temos 03 situações quais sejam:

A.          Extensão da galeria de cintura: está sendo feito uma revisão em toda extensão da galeria e até o final do mês deverão ser feitos os respectivos reparos. Está em estudo o tipo de material a ser empregado para restabelecer a estanqueidade da galeria. Concluído estes reparos, serão refeitos os reaterros e pavimentações que cederam por conta dos vazamentos da galeria. Os técnicos avaliaram como prazo para concluir estas intervenções em 60 (sessenta) a 75 (setenta e cinco) dias.

 

B.          Trecho final da galeria: em função dos danos ocorrido neste trecho e por tratar – se de um projeto inadequado para as condições geológicas locais a opção foi por demolição total. O refazimento deste trecho dependerá de estudos de maré, já contratados junto ao INPH e que demandarão, no mínimo 02 (dois) anos. Neste período, a galeria que está interceptado ao final do calçadão despejará as águas diretamente na areia. Para mitigar o mal aspecto será mantido um equipamento (trator de esteira) para fazer o direcionamento do escoamento de águas pluviais. Esta metodologia é adotada em Copacabana (próximo Figueiredo de Magalhães);

 

C.          Entorno da Martagão Gesteira: em decorrência de descida de barreira da rua Iposeira ocorreu o entupimento de vários bueiros por conta de lama, pedras e galhos e folhas de árvores. Houve o compromisso de inspeções regulares para limpeza destes bueiros e em caso de alerta de grandes precipitações pluviométricas encaminhar, com antecedência, equipamentos e recursos humanos para limpeza de desentupimento destes bueiros. A AMASCO também solicitou que fosse estudada a possibilidade de implantação de rede de drenagem para captar as águas superficiais que provém da Estrada da Canoa e que são represadas pelo meio fio (rótula) da Autoestrada Lagoa Barra e percola na Estrada da Gávea depositando-se em frente a churrascaria Oasis.

 

No término da reunião foi entregue ao Presidente da Fundação Rio-Águas uma lista de questionamentos feitos pela AMASCO. Esses questionamentos balizaram a reunião.